sábado, 18 de agosto de 2012

Fragmentos de arquivo: Notas sobre a (des)atualidade do Plano Diretor (nov 2001)

(...)
Mas não é apenas a execução dos componentes ausentes que tornam inadiável a revisão (atualização) do Plano Diretor, nem mesmo a sua indispensável adequação ao “Estatuto da Cidade” recém- aprovado pelo Congresso Nacional. O aspecto fundamental é o enfrentamento dos novos problemas decorrentes das consideráveis mudanças ocorridas no ambiente sócio-econômico nas duas últimas décadas do século recém-findo.

Dentre os fatores “ambientais” que exigem uma profunda revisão do PD, podemos citar:

· a mudança no perfil produtivo da sociedade (crescimento mais que proporcional do setor de serviços em detrimento da produção fabril)
· o desemprego tecnológico crescente
· a explosão do auto emprego e da autoconstrução e a profunda diferenciação sócio-cultural da cidade

· a crise do sistema de licenciamento de edificações (irregularidade crescente)
· a crise do sistema de transportes coletivos (auto-emprego em transportes e irregularidade crescente)
· o surgimento de complexos urbanos privados de produção-comércio-serviços dificilmente redutíveis às categorias de usos e atividades do urbanismo funcionalista
· a dissolução do fundamento do planejamento clássico dos transportes baseado na estabilidade locacional da relação casa-trabalho
· a privatização e terceirização dos serviços públicos urbanos
· a emergência do problema do valor dos bens públicos em geral e do espaço público em particular
 · a emergência do problema da recuperação pública de excedentes de mais-valia da urbanização privada
· a emergência da “capacidade de gestão” como categoria chave da administração urbanística
(..)

Leia a íntegra deste fragmento em
http://abeiradourbanismo.blogspot.com.br/p/fragmentos-de-arquivo.html