quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Solo fértil

Deu no Mail online
05-12-2017, por Ruairi Casey

As UK land value hits 5 trillion pounds, calls for new tax rise
(..) Land is worth 5 trillion pounds ($7 trillion) and makes up more than half of Britain's value, the Office for National Statistics (ONS) said.
Montagem: à beira do urbanismo
Imagens originais: creative commons
"Pretty much all of the problems in our housing system can be tracked back to the land market and the fact that land prices are outrageously high," Toby Lloyd, head of policy at the housing charity Shelter, told the Thomson Reuters Foundation.
"It's making housing absolutely, appallingly unaffordable."
Average British house prices have more than doubled in the past two decades, and more than quadrupled in London. But average wages have risen by only a fraction of that amount.
By separating the value of buildings and land for the first time, the ONS showed that land value grew much faster than other assets, such as houses and machinery.
As the stock of land is fixed and housing is in short supply, continued growth in land value is not surprising, said Julian Jessop, chief economist at the Institute of Economic Affairs, a free-market think tank.
The latest data sharpened calls to tackle Britain's housing crisis by introducing a tax on the value of underlying land, rather than property, a proposal made by the opposition Labour Party in its 2017 manifesto. (Continua)

Acesse a matéria completa pelo link
http://www.dailymail.co.uk/wires/reuters/article-5148939/As-UK-land-value-hits-5-trillion-pounds-calls-new-tax-rise.html#ixzz50rs48cZ6 


2017-12-13



domingo, 10 de dezembro de 2017

Círculo virtuoso II

Deu no Terra Brasil
06-12-2017, por DINO
Imóvel de alto padrão pode ser boa opção de investimento
Apesar da crise econômica que afeta o Brasil, o mercado ainda é considerado seguro 


Notícias publicadas todos os dias na imprensa comum e especializada dão conta de que o imóvel de alto padrão é uma ótima - senão a melhor - opção de investimento. E não só no Brasil. Por que?

Porque a irrefreável concentração de riqueza que marca a economia do século XXI tem o dom de retroalimentar a espiral de valorização dos imóveis mais luxuosos e bem localizados mesmo em um cenário global de baixo crescimento, estagnação dos salários e precarização do trabalho.

Velhos e novos, verdadeiros e falsos, físicos e jurídicos, quanto mais renda concentram os ricos do mundo inteiro, mais se dispõem a pagar por imóveis de alto padrão em Nova York, Los Angeles, Miami, Londres, Paris, Hong Kong, Dubai, Vancouver, Sydney, Lisboa, São Paulo e Rio de Janeiro, na expectativa razoável de que não faltará quem lhes cubra a parada a qualquer momento em que queiram vendê-los. 

Imóveis de alto padrão são o melhor veículo de investimento na concentração mundial da riqueza.

Meu palpite é que os cortes fiscais previstos na nova Lei de Impostos de Trump, que beneficiam principalmente os americanos verdes, maduros e podres de ricos, servirão de combustível extra para acelerar a espiral de preços imobiliários e a gentrificação dos grandes centros urbanos globais


2017-12-10


quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Visão total

Deu no Jornal de Negócios
06-12-2017, por Diogo Cavaleiro

Banco de Portugal não vê bolha no imobiliário
Montagem à beira do urbanismo
Imagens originais: Internet
A probabilidade de que os preços da habitação continuem a aumentar no futuro é bastante elevada´, sublinha o regulador.
Não há sobrevalorização das habitações no país, para já. Mas não é claro se não estará a acontecer em centros urbanos.
O mercado imobiliário tem vindo a crescer e o caminho deverá continuar a ser ascendente. Mas, para já, o Banco de Portugal não vê nenhuma bolha, segundo conclui no seu relatório de estabilidade financeira.



2017-12-07


domingo, 3 de dezembro de 2017

Tripla jornada: casa, trabalho e transporte

Deu no The Guardian
01-12-2017, por Nick Van Mead
https://www.theguardian.com/cities/2017/dec/01/periferia-sao-paulo-deslocamento-diario-quatro-horas
Deslocamento diário de quatro horas: tarefa difícil da vida na periferia de São Paulo
O deslocamento de 40 quilômetros até o trabalho de Alcione Santos leva mais de duas horas e envolve quatro tipos de transporte.

Guardian graphic | © OpenStreetMap contributors

(..) “Itaquaquecetuba tem 300.000 pessoas, mas falta emprego,” diz Alcione, que trabalha cinco dias por semana como estagiária, ganhando pouco, em um escritório no Ministério Público Estadual no centro da cidade, e estuda direito à noite. Ela ainda faz duas jornadas de 12 horas como cabeleireira nos fins de semana.
(..)  Algumas pessoas ricas em São Paulo acham que andamos de ônibus porque não trabalhamos duro o bastante, mas eles deveriam experimentar pra ver como é.”
(..) Talvez não surpreenda que alguns super-ricos circulem de helicóptero, raramente pondo os pés nas ruas entupidas de carros. Além de ter a maior frota de ônibus do mundo, São Paulo supostamente tem também o maior número de helicópteros. Existem mais de 450 helipontos nos topos dos arranha-céus, sendo possível voar de um bloco de apartamentos de alto-padrão para um escritório no bairro financeiro de Itaim Bibi, fretar um helicóptero para o luxuoso Jardins para almoçar, logo voltar para o trabalho e de lá para casa, tudo isso sem sequer ter tocado os pés na calçada.
Sobrevoar a cidade nas alturas ficou mais acessível a mais gente esse verão com a chegada do Voom, uma espécie de “Uber de helicópteros”, no qual as aeronaves são reservadas pelo aplicativo de celular. Quando eu cheguei ao aeroporto de Guarulhos, no leste da cidade, na hora do rush matutino na semana passada, eu peguei um Voom para o centro. A viagem que pode levar 90 minutos de carro – e para a Alcione demora mais de duas horas de ônibus, trem e metrô – levou, para mim e meus companheiros de viagem, 10 minutos. (Continua)

2017-12-03