domingo, 10 de fevereiro de 2019

Mecenato de ocasião

Deu no Jornal Econômico
07-02-2019, por Rodolfo Alexandre Reis 
https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/mk-premium-vai-investir-15-milhoes-de-euros-em-ativos-imobiliarios-em-portugal-408326
MK Premium vai investir 15 milhões de euros em ativos imobiliários em Portugal
““O mercado imobiliário português

adapta-se perfeitamente ao nosso
modelo de negócio. Edifícios
históricos, localizados em áreas
centrais e que são uma grande
oportunidade de negócio, com o
objetivo de dar resposta à
crescente procura, especialmente
nas duas cidades mais importantes
do país. Portugal tornou-se um
destino muito procurado, o número
de turistas aumentou e, para
empresas como a casasnossa, cujo
objetivo passa pela recuperação
arquitetónica de prédios, é uma
importante oportunidade de
negócio. Estamos muito satisfeitos
com os resultados obtidos no
nosso primeiro ano em Portugal e
em 2019 os nossos objetivos serão
muito mais ambiciosos”, refere
Daniel Leiva, sócio fundador da MK
Premium."


O financiamento da conservação do patrimônio arquitetônico, um dos maiores quebra-cabeças do urbanismo contemporâneo, resolvido de uma só tacada, em Portugal, pela especulação imobiliária globalizada.

Ao custo, porém, da sua exclusão do mercado habitacional: o parque de bens imóveis será usado e apreciado por turistas, ocasionais e sazonais.

Ali onde a especulação imobiliária globalizada não chega, a proteção do patrimônio seguirá dependendo, em qualquer parte do mundo, de capitais locais combalidos e Estados - federais, estaduais e municipais - virtualmente falidos.

Muito se tem falado, e não é de hoje, dos efeitos sociais devastadores da subida dos preços imobiliários internacionalizados nas duas grandes cidades portuguesas. Segundo o JN*, até a Comissão Europeia - insuspeita, eu imagino, de "marxismo cultural" -, reconhece em seu mais recente relatório sobre Portugal que "o aumento nos preços das casas está em grande medida concentrado nas principais cidades de Lisboa e Porto, onde as atividades do turismo se estão a expandir para as áreas residenciais, com um impacto negativo na habitação a preços acessíveis para os grupos socialmente vulneráveis".



2018-02-10