terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Linha 5 para que te quero


Clique na imagem para ampliar

Em artigo publicado há mais de ano e meio neste canal, intitulado “O planejamento olímpico e a revolução dos transportes”, o blogueiro dizia não ter “nenhuma dúvida de que o planejamento urbano e de transportes públicos saído da cozinha das empreiteiras e concessionárias virá, fatalmente, cobrar o seu preço”.  


Não posso deixar de lembrar os juízos e vaticínios emitidos naquela oportunidade ao me deparar com a decisão do governo estadual de licitar o projeto para a implantação da chamada Linha 5 do Metrô, que ligará a Gávea ao Largo da Carioca via Humaitá e Laranjeiras.  

(O Globo online 18-11)
 

À primeira vista, a Linha 5 proposta não tem nada demais. Qualquer cidadão minimamente instruído e viajado sabe que o Metrô é o meio de transporte ideal para zonas urbanas de alta densidade de população residente e flutuante como é o caso da totalidade da Zona Sul do Rio de Janeiro.

Causa espécie, no entanto, que a resposta dos atuais executivos municipal e estadual a décadas de relativo consenso técnico, acadêmico e até mesmo público quanto à prioridade da qualificação urbana do Centro da cidade - não por acaso um dos suportes ideológicos do projeto Porto Maravilha - continue sendo investir a virtual totalidade dos recursos públicos disponíveis na rubrica “mobilidade urbana”... em transportes públicos de e para a Barra da Tijuca - uma estratégia que não está estabelecida em nenhum plano, inclusive o Diretor. 

Deixando essa questão crucial para um próximo comentário, quero apenas colocar no ar duas sugestões.

Clique na imagem para ampliar
A primeira, a de que a decisão de licitar e construir a Linha 5 é do tipo “curso forçado”, uma imposição da opção anteriormente adotada -  estender a linha 1 de Copacabana à Barra da Tijuca - no intuito de evitar que esta naufrague sob o peso do excesso de demanda. 

A segunda, a de que a proposta de ligar a Gávea à Carioca indica que a política de requalificação urbana do Centro e suas expansões continua sendo a última das preocupações dos governantes - importa-lhes exclusivamente, ao que parece, trazer os residentes da Barra ao centro de negócios, assim como, inversamente, no "plano" dos BRTs importava acima de tudo levar a mão de obra dos subúrbios até a Barra!

Só assim se explica que não se utilize a nova linha para ampliar substancialmente a rede de transporte de alta capacidade no Centro Expandido, incluindo a Portuária (Porto Maravilha), ou seja, para favorecer uma política de adensamento residencial na região central com elevada mobilidade e baixas taxas de posse e uso de automóvel. 

Seguindo, porém, a máxima do Planejamento Estratégico que propõe transformar "ameaças em oportunidades", eu sugiro (ver a figura que abre a postagem) que a Linha 5 seja modificada de modo a servir às principais regiões residenciais do Centro, a saber, Santa Teresa, Fátima, Cruz Vermelha, República, Morro da Conceição e Saúde. 

O conjunto Linha 5 - Ligação Estácio-Praça XV (ao longo da qual se aninha há vários anos, o essencial do desenvolvimento imobiliário destinado aos serviços públicos e privados no Centro do Rio, capitaneado pela expansão da Petrobrás e culminando no novo complexo do Hospital do Câncer) seria, eu creio, um poderoso fator de dinamização econômica de toda a área circundante à Praça Cruz Vermelha, estendendo-se às Praças da República e Tiradentes, sem prejuízo da benfazeja diversidade de usos e grupos sociais propiciada pela APAC (Área de Preservação do Ambiente Cultural). 

Como benefício adicional, ficaria consolidada a atratividade turística do Rio Antigo. Turismo de massa - ensina a Europa - se faz com Metrô!

Breve: "Porto do Rio: uma oportunidade perdida?"

 
Abaixo: traçado da linha 4 (Ipanema-Jardim Oceânico)

A Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro (Barra da Tijuca — Ipanema) vai transportar,
 a partir de 2016, mais de 300 mil pessoas por dia e retirar das ruas
cerca de 2 mil veículos por hora/pico. Com a nova linha, o passageiro poderá utilizar
todo o sistema metroviário da cidade com uma única tarifa.
Serão seis estações (Jardim Oceânico, São Conrado, Gávea, Antero de Quental,
Jardim de Alah e Nossa Senhora da Paz) e aproximadamente 16 quilômetros de extensão.
A Linha 4 do Metrô entrará em operação no primeiro semestre de 2016,
após passar por uma fase de testes. Será possível ir da Barra a Ipanema em 15 minutos e,
da Barra ao Centro, em 34 minutos. O projeto é um dos compromissos do Governo do Estado
do Rio de Janeiro com o Comitê Olímpico Internacional (COI) por ocasião dos Jogos Olímpicos.
Fonte: Concessionária Rio Barra SA
Clique na imagem para ampliar


2014-12-02

Nenhum comentário:

Postar um comentário