terça-feira, 24 de novembro de 2020

Bianchini et al 2008: Erechim, o plano e a vida

BIANCHINI G M et alii, “Erechim: A trajetória de Formação Urbana do Município”. 1º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente, Bento Gonçalves – RS, Outubro de 2008
https://siambiental.ucs.br/congresso/getArtigo.php?id=36&ano=_primeiro

Esse artigo é emblemático das atribulações a que estão sujeitas, tanto quanto quaisquer outras, as cidades que se costumam chamar de “planejadas” sob as circunstâncias de sua implantação, ocupação, adensamento e expansão para além da área contida no projeto de urbanização original.
Impelida pela construção da Estrada de Ferro São Paulo - Rio Grande, Erechim foi fundada por volta de 1910 por iniciativa do governo do Rio Grande como Sede da Colônia Paiol Grande, no marco da política de colonização da terras limítrofes ao Rio Uruguai, fronteira com o atual estado de Santa Catarina.
“Única cidade planejada em termos de urbanismo no Rio Grande do Sul”, nas palavras dos autores, Erechim foi traçada com um padrão geométrico de matriz francesa pelos engenheiros e agrimensores da Comissão de Terras sob a direção do engenheiro Carlos Torres Gonçalves, um assumido adepto da filosofia positivista.
Do exame da conturbada relação entre o plano fundacional da cidade, sua expansão física e sociodemográfica sob impulso do desenvolvimento econômico e as regulações urbanas instituídas ao longo do século XX, os autores concluem que
“O processo de urbanização da cidade, movido pela especulação imobiliária e com a participação do poder público, acabou por fragmentar a configuração inicialmente sonhada para esta cidade. A memória urbana vem sendo abandonada esquecida e desrespeitada, em prol do rápido crescimento e desenvolvimento despreocupado, sem considerações ao indivíduo, ao meio ambiente, a cultura e à história local.”

A crítica dos autores à dificuldade do município de proteger seu mais valioso legado urbanístico é justificada - um problema que se estende a todas as grandes cidades ditas "planejadas" do país, à exceção, talvez, de Brasília, que já nasce destinada, se não inscrita, no Livro do Tombo. Já a ideia - implícita - de que "a configuração inicialmente sonhada para esta cidade" pudesse sobreviver às leis da urbanização de mercado me parece um tanto ingênua e, no limite, despropositada.   

Tornarei ao tema numa próxima postagem.    

Praça da Bandeira


Erechim: mapa dos bairros 2020
Fonte: saite da Prefeitura Municipal

2020-11-24