sexta-feira, 15 de junho de 2018

Holocausto carioca


Poluição visual ameaça Paisagem Cultural Mundial do Rio no Morro/Mirante do Pasmado
É possível fazer, hoje em dia, uma construção de 22 metros de altura em cima de um morro carioca, à beira da Baía da Guanabara, e que compõe a Paisagem Cultural Mundial do Rio? Claro que não!

Mas, a polêmica da construção de um monumento em memória ao holocausto dos judeus, na Europa, na 2ª Guerra Mundial, no Morro do Pasmado, chegou finalmente à grande mídia. Ainda bem que chegou, porque, até o momento, o assunto vinha sendo empurrado nos gabinetes da Prefeitura e nos corredores da Câmara Municipal sem que a sociedade civil tivesse sido consultada ou ouvida.

A sociedade civil, que tomou conhecimento do assunto por notícias esparsas, vem se manifestando, no mínimo, estarrecida. Vê-se isto nas páginas do Facebook do movimento SOS Patrimônio, na página da Associação de Moradores de Botafogo (AMAB), e nos comentários de sítios como a UrbeCArioca. Porém, nada oficial.

O assunto também foi trazido à pauta geral, pela representante da FAM-Rio*, na última reunião do Comitê Gestor do Rio Patrimônio Cultural, no dia 20 de março de 2018. Isto porque o Morro do Pasmado, local da pretendida construção, integra a zona de entorno (ou ambiência/amortecimento) do sítio reconhecido como monumento mundial de preservação da paisagem cultural no Rio! E, face a relevância do assunto, este foi levado à reunião geral do ICOMOS Brasil*

Moção aprovada – O ICOMOS BRASIL debateu a questão em sua reunião anual realizada em Belo Horizonte em abril de 2018 e, face a gravidade, aprovou moção que recomendou à Prefeitura e ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) maior cuidado no encaminhamento do que poderia ser uma ameaça à Paisagem Cultural Mundial. (confira aqui a moção do ICOMOS BRASIL).

Com tudo isso, o que mais nos choca é o quanto estamos anestesiados em relação a estas violências decisórias que cada prefeito da Cidade do Rio se outorga o direito de praticar, com a dócil complacência dos vereadores da Cidade. 
(Continua)

Leia o artigo completo clicando


2018-06-15