segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Acesso dos niteroienses ao Metrô da Carioca obstruído pela Justiça

É com pesar que informo aos meus concidadãos niteroienses que a imaginada ligação aerorrolante entre a Praça XV e o Metrô da Carioca encontra-se definitivamente obstruída pela Justiça. Isso mesmo. Um sólido bloco do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, hoje em vigorosa expansão, se interpõe em nosso caminho. E abra o olho o Expedicionário, porque a sua praça está inteiramente invadida por um canteiro de obras. Daí à ocupação total e definitiva, com bandeira fincada e tudo, é um pulo. (Clique na imagem para ampliar e tecle Esc para retornar.)

A expansão da Justiça tem em geral três causas, a saber: o aumento do acesso dos pobres e marginalizados, o que é muito bom e auspicioso; o razoável (notável somente para os distorcidos padrões mundiais) crescimento ainda profundamente espasmódico e desigual da nossa economia, gerando conflitos trabalhistas e cíveis aos borbotões; a transformação da Justiça, a exemplo da Economia, numa concorrida roleta russa de advogados à caça de ações potencialmente rendosas (malefício que, felizmente, ao que parece, a nossa classe dominante ainda não trouxe de Chicago, Miami e Nova York).

Agora, meus amigos, só nos resta esperar que a Ponte Rio-Niterói chegue rapidamente – falta pouco! – à saturação total (e que nossos engenheiros não inventem uma forma de duplicá-la e nossos governantes não decidam construir outra), para podermos voltar a sonhar com o Metrô Estácio-Praça XV.

Para satisfazer (ou quem sabe acicatar) a curiosidade do leitor, eu incluo uma prévia do mapa que estou preparando para um artigo em que me proponho a explicar (como urbanista que ainda sou) porque o virtual abandono da mencionada ligação pelas autoridades constituídas constitui uma escolha quase inconstitucional de tão insustentável. (Os quadrados e círculos azuis são grandes desenvolvimentos imobiliários históricos e recentes, de negócios e residenciais, no Centro do Rio [no corredor em questão N.A.] - concluídos, em execução, programados e planejados - mais detalhes na futura postagem.)



4 comentários:

  1. Quando acordarem para a necessidade dessa ligação vai ser tarde. Se é que algum dia vão acordar.

    ResponderExcluir
  2. Mas .... o túnel do (possível futuro) metrô não deveria passar vários metros abaixo da fundação dos prédios ?
    Até porque se trata de ir por baixo da baia, um mínimo de 20 ( 30? ) metros seria necessário, ao modo do túnel sob o Canal da Mancha.
    Nessa profundidade não deveria interferir nas fundações. Ou, é claro, um pequeno desvio para os lados.

    ResponderExcluir
  3. Pedro, já que vc é Urbanista, me diz uma coisa.
    Como ficaria uma linha de Metrô interligando os bairros de Niterói e a cidade vizinha de são Gonçalo. Daria pra vc fazer um estudo sobre isso?
    moro em Niterói e sou psicóloga e ando muito preocupada com a qualidade de vida(QV)dos moradores da cidade. Sou leiga na área de urbanismo, mas qualquer um em sã consciência é capaz de avaliar o benefício que o Metrô traria a cidade de Niterói. Parabéns pelo blog! abraços!

    ResponderExcluir
  4. Alguma coisa ainda funciona: Tive a chance de assistir uma palestra com o engenheiro responsável por esta obra do fórum e eles foram avisados que o prédio deve ter uma profundidade máxima de fundações, de modo a não interferir com o metrô.

    Esse aviso veio no meio da obra, mas... o importante é que tudo deu certo no final, né? Fora isso, o blog é excelente. Descobri agora e estou devorando os artigos.

    ResponderExcluir