quinta-feira, 20 de junho de 2013

Vitória, ainda que precária


Precária porque as empreiteiras tiveram todo o tempo e dinheiro do mundo para formular a sua "Operação Urbana" e o seu "Masterplan" ao passo que a cidade ("o povo", em linguagem jurídica) terá míseros 15 dias e, na melhor das hipóteses, a boa vontade de profissionais que trabalham de graça, para estudar o conteúdo e as implicações do projeto - uma nova cidade inteirinha, para milhares de novos habitantes. Como eu disse em outro lugar, "em se tratando de Grandes Operações Urbanas, cabe ao réu provar que é inocente". Mantenho.
 


2 comentários:

  1. O próximo passo é o questionamento legal da tramitação, que atropelou várias leis municipais. O projeto de lei, sem os estudos, chegou ao compur apenas para "validação" pois ja estava na câmara municipal!

    ResponderExcluir
  2. Concordo. É preciso ganhar tempo... "O povo" não tem como propor uma OUC alternativa, ou nenhuma OUC, da noite para o dia. Uma coisa para pensarmos é: essa operação está baseada na hipótese de gastar todo o excedente de renda do solo previsível nos próximos dez anos num "circuito fechado" para a renda média e média-alta.

    ResponderExcluir